segunda-feira, 6 de dezembro de 2010

Com quantos dias se faz uma saudade?

Sessenta dias. Foi esse tanto de amor que eu te prometi. Cumpri à risca. Sessenta dias sem pausas ,nem para a leitura de poemas de Neruda. Até nesse tempo, Neruda nunca tinha ficado no esquecimento de um dia que fosse. No maxímo eu o substituia por Cecília, Cora, Gullar. Mas foi assim, bem assim mesmo. Sessenta dias. Nada soube dos noticiários, nem da morte de minha tia distante eu quis saber. Era de ti, só de ti, que se fazia meu tempo. Tempo que sessenta dias correu nas horas de uma semana. Logo que eu acordava, corria mundo. Atravessei o rio com flores pra Santa,  expus minha figura na ponte nova, e todas outras festividades eu me agreguei,  e de certo tu sempre junto. Invencionice para estar contigo não me faltou. E eu ia, como prometido te amando, sem medo e sem contar os dias. Tem contos que tem tempo determinado, mas, só de acabar a história. O amor, esse ficou nada para ele foi avisado que existe algo chamado "TEMPO" e se faz agora o tempo de contar de quantos dias se faz uma saudade.

4 comentários:

Anônimo disse...

Ah...então é aqui se lê a fotografia 3x4!
Prof. Cá estou te seguindo,se gostar me faz uma visita no meu mundinho melancolia,e se gostar mais ainda me segue tb!
bjO
sua aluna Alessandra Monteiro.

mari + poesia disse...

Lindo,lindo,lindo e lindo!
A saudade realmente não obedece nenhuma convenção,nem mesmo o próprio tempo.
Gostaria tanto de saber quanto tempo dura uma saudade,só para que a minha durasse o tempo necessário para eu piscar os meus olhos e vê-lo outra vez.

Beijos,
Mari.

Vanusa Babaçu disse...

Alesandra é aqui que se lê a fotografia que o seus olhos permitirem vislumbrar.

Bem vinda, muito grata pela importante visita.

Vanusa Babaçu disse...

Mari, saudade é uma florzinha que nasce na dor da ausência do outro. Meu experimento é de longa data. Vez por outra meus olhos se abrem e vislubram por instantes o dono dessa saudade. Mas logo, logo mesmo ele é saudade outra vez! E meu coração sabe que a vida tem que seguir!

Abraços